Você está aqui: ARTIGOS Financeiro Os 15 anos do real da ótica das escolas

Os 15 anos do real da ótica das escolas

Neste mês de julho estão sendo comemorados os 15 anos do lançamento do Plano Real. Este fato, apesar de solenemente ignorado pelo Governo Federal, vem sendo relativamente destacado pela mídia. Tivemos a oportunidade de ser brindados com vários artigos sobre o tema, muitos deles escritos pelos expoentes da confecção e do lançamento do Plano.


A data representa, sem dúvida, um marco na histórica econômica brasileira e, por isso, merece uma abordagem especial. Não há exagero em afirmar que a introdução e o sucesso do Real representaram uma revolução de costumes na sociedade brasileira.

Não se pode minimizar o fato de que o Real teve êxito em um campo onde tanto outros planos anteriores, com o mesmo objetivo direto, fracassaram rotundamente. Do ponto de vista histórico, não há nada de lógico em afirmar que o sucesso do Real era previsível. Pelo contrário, seu lançamento foi recebido com considerável pessimismo, calcado no fracasso das tentativas imediatamente anteriores de barrar a inflação.

O que o Real teve de diferente em relação a seus antecessores diretos, que lhe ditou um destino diferenciado? Ainda que parte desse sucesso possa se dever a um cenário externo mais propício, com queda da inflação em muitos dos países do mundo ao mesmo tempo, sem dúvida os motivos do êxito estiveram muito mais presentes no planejamento e na aplicação do Plano. Apesar de toda a sua complexidade, foram três os pilares que deram a maior sustentação ao sucesso do Real: a) quebra gradual da indexação, com introdução prévia da URV, que nivelou, tanto quanto possível, os preços reais da economia, antes mesmo da entrada em cena da nova moeda; b) abertura da economia às importações e utilização de uma taxa de câmbio muito valorizada em favor do Real, o que tornou os similares importados extremamente baratos e conteve as remarcações de preços; c) flexibilização da política fiscal, com a redução das despesas obrigatórias do Governo, aumentando a confiança na capacidade do Poder Público de controlar seu orçamento.

Nenhum desses 3 passos havia sido dado nos planos anteriores. Eles acabaram por assegurar a longevidade do Plano em um primeiro momento, justamente aquele em que a pressão de todos os setores da sociedade por uma posição mais vantajosa na acomodação dos preços diante da nova realidade fez naufragar rapidamente as tentativas de congelamento de preços.

A derrocada da inflação não teria sido possível sem o conjunto desses passos. Qualquer um deles que tivesse ficado faltando levaria ao malogro do Plano. Ainda que isso seja verdade, porém, não há como destacar que o ponto mais complexo e mais decisivo para a conquista do objetivo foi a desindexação dos preços e salários.

Só quem viveu aquele momento pode entender com clareza o que foi a indexação. Essa criação tão brasileira, que teve seus méritos em determinados momentos, mas trouxe tantos deméritos na maior parte de sua história, estava impregnada no dia-a-dia das pessoas físicas e das jurídicas. As energias da administração, tanto no âmbito profissional quanto pessoal, estavam centradas na busca de proteção contra a corrosão do valor do dinheiro. A indexação era a forma menos dolorosa de se conseguir isso.

As escolas particulares estavam envolvidas nesse contexto até o pescoço. As administrações tinham de estar voltadas para um objetivo central: o de proteger os preços contra a corrosão provocada pela inflação.

Esse objetivo crucial, porém, não era fácil de ser atingido. As especificidades da relação entre a escola e seu público-alvo faziam dela um alvo fácil da especulação e do sensacionalismo.Cobrando uma parcela mensal, tendo como público as classes alta e média e tendo um peso representativo no orçamento familiar, a escola estava sempre na linha de tiro dos demagogos de plantão.

Essa situação, que em muitos momentos se fez parecer à de uma guerra, se complicou demasiadamente no período compreendido entre o Plano Cruzado, em 1986, e o Plano Real, em 1994. Foi o período de inflação mais aguda da história do Brasil, e também o que teve a marca dos choques heterodoxos: Cruzado (1986), Bresser (1987), Verão (1989), Collor (1990) e Collor II (1991).

Foi um período de extrema união na categoria das escolas particulares. Havia um inimigo comum: o Governo Federal, que tentava, de todas as maneiras, fazer cortesia com o chapéu alheio, buscando forçar as escolas a corrigir seus preços abaixo das necessidades. Foi um período de fortalecimento das associações de pais, das Sunabs e Procons, da mídia sensacionalista.

Os gestores da escola particular tinham de centrar energia, 12 meses por ano, na política de gerenciamento e defesa do preço. Esse era o foco. Por mais que se tivesse sucesso em alguma política de racionalização de custo, seu alcance não podia ser comparado aos preciosos pontos percentuais – e eram muitos - que estavam em jogo na batalha do preço.

Felizmente, esses tempos passaram. O Plano Real veio em 1994 e, a partir de 1996, foi implantado oficialmente o sistema da anuidade escolar. As escolas passaram a ter liberdade efetiva de fixar seus preços, desde que deem aos pais de alunos um período de 45 dias para estudar a concorrência e verificar seu interesse por trocar de instituição. O jogo ganhou, com isso, um equilíbrio de forças, e passou a ser mais bem jogado. O desequilíbrio permanece no tratamento dado à inadimplência, mas esse não é o tema deste artigo.

A cristalização das novas regras trouxe uma realidade bem diferente para os gestores escolares. O inimigo comum deixou de existir. A união de outrora, por consequência, evaporou.

Ainda sem tempo para comemorar a estabilização de sua relação com a sociedade, as escolas acabaram tomadas de surpresa por um fenômeno não menos intenso que se desenhou a partir da segunda metade da década de 90: o incrível descolamento entre as curvas de oferta e demanda de vagas no mercado do ensino privado. A demanda, estagnada, viu a aceleração do número de cursos oferecidos levar a uma redução considerável do número médio de alunos matriculados por curso. O inimigo, que era comum e estava em Brasília, se diluiu e se aproximou: agora, as escolas concorrentes passaram a ser o inimigo.

Essa onda avassaladora teve de trazer consigo novas técnicas, novos conhecimentos, novas preocupações. A fixação do preço tem uma grande importância econômica e estratégica, mas essa decisão deixou de tomar um tempo e de exigir uma energia preponderantes. A boa gestão da multiplicidade de ferramentas internas disponíveis se tornou um diferencial gritante entre as escolas.

O ambiente externo, há de se destacar, não ajuda muito no cenário. Um outro inimigo sorrateiro vem penetrando de forma gradativa no setor: a carga tributária. A cada ano ou biênio as escolas são brindadas com alguma novidade que leva ao aumento de seus custos operacionais.

Esse conjunto de fatores faz com que alguns mantenedores expressem, vez por outra, uma certa nostalgia, confundida até com “saudades daquele tempo de inflação”. Esse não é, definitivamente, o caminho. São inúmeros os casos de escolas que, com políticas sérias e competentes de gestão das ferramentas pedagógicas, de comunicação, de gerenciamento orçamentário, de estudo tributário, têm vencido as barreiras, conquistado mercado e sendo premiadas com margens bem interessantes. O fim da inflação permitiu, em última análise, o amplo crescimento do campo do autoconhecimento para as escolas. Coube e continua cabendo a cada uma delas aprimorar sua metodologia de trabalho para ganhar mercado e, assim, ampliar seus próprios horizontes.